Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

bocadinhosdevida

Neste espaço escrevo. Escrevo apenas. Escrevo porque gosto desde que me conheço. Quero entreter com uma linguagem simples, partilhando algumas situações do meu dia a dia ou recordações. O que for.

bocadinhosdevida

Neste espaço escrevo. Escrevo apenas. Escrevo porque gosto desde que me conheço. Quero entreter com uma linguagem simples, partilhando algumas situações do meu dia a dia ou recordações. O que for.

Coscovidiçes

AlFernandes, 30.05.20

Sábado finalmente!

E lá fui eu até às praças toda contente, preparada para levar peixe e legumes frescos para casa. Depressa desisti da ideia, tal era a fila para entrar. Existe um limite de pessoas que podem circular lá dentro. E, muito bem, o controle é feito criteriosamente. O mesmo não acontece com os cafés, cafézinhos e cafézitos nas imediações. É literalmente, todos em monte, sem máscara, e fé em Deus.

Decidi fazer as compras noutro sítio. Mas estava quase tudo igual. Lá entrei no Pingo Doçe e fui abastecer-me de algumas coisas de que precisava. Quando estava no corredor dos produtos de higiene, havia uma fila para a caixa e as pessoas conversavam. Ouvi um senhor a falar um pouco mais alto, e estava muito indignado pela falta de civismo de grande parte das pessoas em cumprir as regras de etiqueta respiratória. Pormenor: o senhor tirava a máscara da boca para falar. Claro que não fiquei calada e disse-lhe que se falasse com a máscara era ouvido na mesma. Nem olhei para trás para ver a reação e nem me importei com isso. O certo é que não o ouvi mais.

E é assim. Toda a gente critica os outros, sem olhar primeiro e com sentido crítico para o que faz. Não sou nenhuma santinha e, como todos também cometo erros. Mas neste caso tenho o máximo de cuidado. Pela minha famíla e também pelos outros.

Temos imensa sorte por estarmos neste recanto do Algarve e, por até agora a situação estar aparentemente controlada. Vamos ver até quando. É que se os que vêm para cá de férias forem como o senhor da fila do supermercado, estamos bem tramados.

"Pelo pecador paga o justo". E não o contrário.

Agora, vou beber uma fresquinha porque está o calor em monte.

Até.  

 

Até o peixinho salta

AlFernandes, 20.05.20

20171101_121317.jpg

Ainda a semana passada batia os dentes com vento frio, e agora o calor chegou em força. Até o peixinho Andreia salta no aquário com o calor, para felicidade da Miss D.. Há gatos que passam horas a contemplar os aquários. A D. não. Passa logo à ação. Cada vez que o peixinho passa por ela, lá vai uma tentativa de o agarrar. Por vezes molha a pata, o que acredito ser desconfortável, mas nem por isso desiste. Já o gato da casa, o Rá, gosta de ficar um pouco a olhar até decidir se joga a pata ou não. Por vezes tenta usar a técnica "bacalhau de molho", que consiste em beber água até conseguir o que quer. Não sei como é que ainda mantém a elegância sem barriga de água. Devo dizer que nunca conseguiu peixinho ou bacalhau. E enquanto assim for o peixinho Andreia vai continuar alegremente a passear no aquário e nós comemos bacalhau sem intervenção felina.

Por falar em calor. Vou por-me de molho para ver se arrefeço um pouco.

Até.

Mas o que é que eu fiz?

AlFernandes, 27.03.20

received_1224939770898714.jpeg

Esta é a focinheira do meu cão quando faz asneira e é repreendido.

Já faz alguns meses mas recordo-me que tirei esta foto quando estava a falar com ele sobre o que tinha feito. E foi o quê? Nada mais, nada menos, que uma das suas asneiras preferidas assim que tem oportunidade. E a oportunidade foi a porta da casa de banho aberta. Escusado será dizer que, como qualquer cão que se preze, abriu o balde do lixo, mas foi apanhado antes da grande porcaria. Decidi então ter uma conversa de amiga para amigo, e embora não fale a sua língua (canês), sei que ele compreendeu o que disse. Mas do compreender ao não voltar a fazer vai uma grande distância.

Quem vive com animais de estimação sabe que é assim. Por exemplo, o meu gato preto adora ir para a banheira e deixar tudo patinhado e a mini gata adora afiar as unhas em cadeiras. Cada um com a sua preferência.

Bem, pelo menos o peixe não consegue (nem pode) sair do aquário. Mas também que asneiras pode um peixe fazer?

Até.